O que é preciso ter em mente sobre a reforma da Previdência

Neste momento, em meio à agitação nos bastidores, alguns pontos precisam ficar claros sobre a reviravolta na onda favorável à aprovação da reforma da Previdência antes do recesso.

A questão da inclusão dos estados e municípios é, sim, um imbróglio real, mas tem sido usada por muita gente em Brasília como cortina de fumaça.

Vamos lá:

1) Não nos esqueçamos de que o deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, disse em maio que a Câmara não poderia aprovar uma reforma “que garanta a reeleição” de Jair Bolsonaro. Na época, ele levou um grande pito dos colegas, mas esse sentimento ainda existe.

2) Rodrigo Maia e Paulo Guedes, embora tenham tido bons momentos durante todo esse processo, disputam o protagonismo da esperada aprovação da reforma. As críticas do ministro ao relatório de Samuel Moreira deixaram mesmo o presidente da Câmara bastante irritado.

3) Os deputados continuam insatisfeitos com a articulação política e se queixam da postura do governo com o Parlamento. Sendo assim, alguns líderes defendem que não vale o esforço para aprovar a reforma antes do recesso, uma vez que o Planalto tentará, naturalmente, puxar para si os louros da reforma.

4) Por fim, o governo ainda precisa esclarecer as emendas prometidas aos deputados. Sim, vale lembrar que em reunião com líderes na residência de Rodrigo Maia, há quase dois meses, o ministro Onyx Lorenzoni prometeu liberar recursos da União aos parlamentares, mas até hoje não ficou claro se serão contemplados apenas aqueles que votarem a favor da reforma — e se o governo irá mesmo cumprir a promessa.

Fonte: O Antagonista